HISTÓRIA

ORIGENS

Em meados da década de 50 do século passado, radica-se na cidade do Porto um professor de Judo, M. Jackie Hugnet, 2º Dan, que se dedica ao ensino dessa disciplina, na altura em que ainda era considerada uma Arte Marcial.

A constatação de que a técnica e a destreza podiam ultrapassar a força bruta, o aprender a respeitar na aula o colega de treino, “adversário” de ocasião mas amigo no dia-a-dia, o saber sublimar um ambiente de calma e tranquilidade, até aí desconhecido na maioria da prática dita desportiva, deixou marcas indeléveis em muitos desses praticantes, que viram assim a sua formação como homens manifestamente beneficiada por essa experiência ímpar. Foi neste ambiente que estes praticantes tiveram o seu primeiro contacto com as Artes Marciais, e em que alguns destes, iriam estar na base da criação da Soshinkai.

Entretanto o Professor Hugnet regressa ao seu país natal, vindo em seu lugar, o compatriota Gilbert Briskine, 4º Dan, continuar o trabalho iniciado. Nessa altura registam-se os primeiros contactos a nível nacional, tendo o Mestre Kobayashi dirigido uma série de treinos no Porto, maravilhando todos com a sua técnica. G. Briskine trouxe-nos também os primeiros ensinamentos de Karate, tendo provavelmente dirigido os mais antigos karatecas portugueses. Um brutal acidente de automóvel interrompeu de uma forma inesperada a sua actividade, tendo o Judo no Porto sofrido uma perda que demorou anos a recuperar.

Do grupo de praticantes que se fizeram notar deve ser realçado José Manuel Romano, que atingiu em 1963, em França, a graduação de 1.º Kyu, conferida por mestre Nanbu. Com ele Mário Alberto Águas, então cinto azul de Judo, treinou durante vários anos, tendo a oportunidade de apreender a técnica e a concepção desse que poderia ter sido, noutras circunstâncias, um karateca de excepção.

Soshinkai

Durante o ano de 1965, os treinos de um grupo de karatecas no Club de Judo do Porto foram dirigidos por um antigo aluno de um mestre, na altura desconhecido, de nome Tran-Huu-Ha.

Em Agosto do ano seguinte, o Porto recebeu pela primeira vez a visita do Mestre Tran. a convite desse seu aluno, tendo sido inaugurado então um dojo na Rua da Alegria. Em finais de 1966, foi criado por determinação de mestre Tran, um dojo independente, sendo seus fundadores Mestre Tran, Henrique Sollari Allegro Magalhães, Mário José Águas e Mário Alberto Águas entretanto graduado em cinto castanho (actualmente 8º Dan).

Mestre Tran tornava mais frequentes e dilatadas as suas estadas, tendo graduado em cinto negro o director técnico da Soshinkai, Mário Alberto Águas em Agosto de 1967. Em Outubro de 1968, foi inaugurado um novo dojo na Rua Pinto Bessa, no Porto, passando este a funcionar como Academia-mãe da mais tarde Federação Soshinkai. Foi nesta época que foi travado conhecimento com alguns representantes de Mestre Murakami e da escola Shotokai, tendo-nos Mestre Murakami concedido a honra de escolher a Soshinkai como primeiro dojo a visitar na cidade do Porto, em 1970.

Em Dezembro de 1968 surgiu em Coimbra a primeira filial cujo êxito se ficou devendo à acção superiormente desenvolvida, tanto no plano técnico como pedagógico, pelos Instrutores Eng. Adriano Antas, Dr. António Manuel Freitas Gomes, Dr. Alberto Amorim Pereira e Dr. Augusto Garcia, entre outros. Seguir-se-iam novas filiais em Ílhavo, Águeda, Vizela, Fafe, Espinho, S. João da Madeira, Sport Club do Porto, Colégio Alemão do Porto, Ponta Delgada, etc.

No Verão de 1969, Mestre Tatsuo Susuki, na altura 7º Dan Wado-Ryu, acompanhado de Mestre Fujii, 5º Dan e campeão do Japão em 1961, orientaram um estágio na Soshinkai, revelando uma técnica surpreendente.

A Soshinkai procurou dar a conhecer diversas Artes Marciais, na altura desconhecidas em Portugal, como o BO, o Tonfa, o Nunchaku, o Sai, etc., sempre com maior incidência no Karate, tentando dar uma imagem correcta e fiel do espírito e da filosofia que lhe são inerentes.

Em 1972 é criada, através do decreto-lei 105/72, a Comissão Directiva das Artes Marciais (CDAM), organismo encarregado de supervisionar a prática e o ensino das Artes Marciais em Portugal. O estilo Kenshukai, entretanto criado por Mestre Tran, é reconhecido na CDAM através da Soshinkai. É também durante este ano que o número de dojos filiados aumenta e que é iniciada a orientação de uma classe especial de 15 elementos da secção feminina da PSP sendo mais tarde ministrado também o ensino a Oficiais e elementos do Pelotão de Segurança. De todos estes elementos importa destacar o malogrado Capitão Lopes Gomes quando 2º Comandante desta Polícia. Notável intérprete do verdadeiro Espírito Budo impunha a si próprio singular disciplina moral e física que aliava a um extraordinário mental. Mencionamos aqui o seu ponto de vista a respeito de graduações que muitos por mera exibição ou fútil vaidade, procuravam obter a todo o custo, muitas vezes sem olhar a meios. Para si as graduações eram de somenos importância porquanto o fundamentalmente importante era o percurso escolhido para as atingir. Na sua profundeza, tal conceito, poder-se-ia considerar extensivo aos mais diversos sectores onde distinções e honrarias são alcançadas por processos menos ortodoxos. Com o seu prematuro falecimento, perdeu não só a Corporação que dignamente representava, como também a Soshinkai um membro que certamente viria a tornar-se um dia figura das mais emblemáticas.

Foi neste mesmo ano de 1972 empossado como presidente da Federação Soshinkai o Senhor General Eduardo Martins Soares, Comandante da Região Militar Norte, sucedendo-lhe após o seu falecimento o Senhor Coronel Armando da Silva Freire. Abrimos um parêntesis para referir, como preito de homenagem, a acção decisiva destes dirigentes pulverizando, no passado, insidiosas tentativas de desestabilização no seio da Soshinkai – SKKP

Queremos destacar ainda o total empenhamento do nosso antigo Instrutor e um “histórico” da Soshinkai, Sensei João Ramos Bio, fundador da Filial de Ílhavo, que, juntamente com outros indefectíveis elementos da Associação, determinaram banir para todo o sempre a presença dos considerados indesejáveis numa verdadeira Entidade Budo.

Ainda no ano de ’72 seria criada uma classe de Defesa Pessoal da Polícia Militar comandada nessa época pelo então Capitão Eurico Corvacho que viria a ser Governador Militar e membro destacado da Soshinkai onde ocupou, durante um breve período, o lugar de Presidente.

Destacava-se igualmente, no limiar dos anos 70, pela sua exemplar aplicação como praticante, o teólogo Dr. José Lado Teixeira, que se afirmaria um dos mais representativos membros da nossa associação pelos invulgares dotes humanitários e profunda ligação à Soshinkai baseada em laços de amizade de tal forma sólidos, que nem a distância e o tempo debelaram minimamente.

Mais tarde a Soshinkai era convidada a ministrar igualmente um curso de Defesa Pessoal à Polícia Judiciária do Porto a exemplo do que já havia sucedido com a sua congénere de Coimbra.

Em Janeiro de 1973 são iniciados treinos de Judo a uma classe de invisuais do Instituto S. Manuel, dirigidos por Mário José Águas e Vitor Loreto, a titulo gracioso, iniciativa inédita em Portugal Continental. Em Novembro do mesmo ano, Mestre Tran atribui ao director técnico da Soshinkai a graduação de 2º Dan.

Em 1974 foi criada a Academia Soshinkai de Espinho e em 1975 foram inauguradas as filiais do Instituto S. Manuel, Vizela e S. João da Madeira. Por esta altura, o grande número de academias e secções autónomas juntaram-se para criar um organismo coordenador. Surgiu assim a Federação Soshinkai de Artes Marciais (FSAM). Dos mestres que visitaram a Soshinkai nesse período, merece uma menção especial Toshihiko Tsutsumi, um dos últimos sobreviventes do tradicional praticante de Budo.

Em 1976 comemorou-se o 10º aniversário da Soshinkai. A efeméride foi assinalada com a realização de colóquios, estágios técnicos e demonstrações, e com a publicação de um livro onde se registaram os eventos mais importantes até à data. Das diversas comemorações dessa efeméride, destaca-se o sarau realizado em S. João da Madeira, com a presença de Mestre Tran e mais de quatro centenas de praticantes, número notável para a época. Nesse sarau o Eng. Mário Águas foi graduado 1º Dan de Viet Vo Dao, Arte Marcial entretanto introduzida em Portugal a partir de 1975 por Mestre Tran.

Nesse ano, a Soshinkai foi convidada para orientar uma classe da Polícia Judiciária do Porto, continuando-se a assistir nesse ano e nos seguintes à expansão da FSAM. A coexistência de métodos e técnicas enriqueceram o património técnico da Soshinkai, sem nunca se abandonar a prática do Karaté.

Em 1978 Mestre Tran gradua o director técnico da Soshinkai em 3º Dan. Nesse ano e no seguinte foi publicada pela Soshinkai uma revista dedicada exclusivamente aos seus praticantes. Foi também nesta época que se iniciou no Porto a prática do Yoseikan-Budo. Devido a imposições legais, este novo estilo foi filiado na FSAM. Durante o tempo que durou a imposição legal, foi respeitada integralmente a independência técnica e administrativa dessa secção.

A sede da FSAM recebeu em 1978 a visita de Mestre Kobayashi, oportunidade aproveitada para rever uma amizade com mais de duas décadas.

Em meados de 1979 assiste-se à separação entre a Soshinkai e Mestre Tran, marcando o fim de uma cooperação que produziu os frutos por todos conhecidos. Novos desafios foram então colocados à Soshinkai, que procurou sempre salvaguardar uma postura nas Artes Marciais de acordo com as responsabilidades adquiridas ao longo do seu passado. Os tempos vieram a mostrar que o espírito da Soshinkai estava bem vivo.

Até 1982, a FSAM realizou a necessária reestruturação nos planos técnico e organizativo. Foi também neste ano que através de um amigo de longa data, Torres Vilas, fomos postos em contacto com dois instrutores de Karate, radicados em Vigo, e ligados à Shotokan Karate Internacional Federation (S.K.I.F.). Iniciou-se um intercâmbio técnico que veio a estar na base da filiação da FSAM nesta Organização, criada em 1977 por Shihan H. Kanazawa e, posteriormente, da criação da SKKP.

Gichin Funakoshi

“Mestre Gichin Funakoshi nasceu em 1868, em Shuri, e cedo se dedicou ao estudo e prática do Karate, do qual se tornaria, posteriormente, seu representante máximo.

Soke Kanazawa

“Mestre Hirokazu Kanazawa nasceu na província japonesa de Iwate em 1931.

Em 1956 terminou o curso da Universidade de Takushoku e ingressou na JKA, onde foi aluno de mestre Funakoshi.

Shihan Mário Águas

“Shihan Mário Águas iniciou-se como praticante de Judo em 1958 e, em 1966, torna-se um dos fundadores da Academia Soshinkai em Portugal. Foi desde sempre director técnico da Soshinkai em Portugal, tendo desempenhado igualmente o cargo de presidente da FPKS.